9 de fevereiro de 2009

Coluna Guitar Player






Coloque-se na fogueira!
O aprimoramento musical é um desafio constante. Quando a música transforma-se em profissão, a rotina surge como o grande inimigo do maior dos predicados de um músico: a paixão pela arte. E não apenas isso, a rotina fere também a eterna busca do conhecimento, o desenvolvimento técnico, as pesquisas diárias, entre outras coisas.
As horas de viagens, entrevistas, reuniões e dezenas de compromissos não relacionados diretamente ao instrumento – além das decisões que podem nos levar a um trabalho pelo cachê e não por ideologia ou gosto – nos distanciam da verdadeira essência da música e seu aprendizado.
Para quem ainda não é profissional, esse marasmo intelectual também pode ocorrer. Praticar repetidamente os mesmos exercícios ou as mesmas músicas sem abrir os olhos para outros mundos musicais pode nos deixar em uma via de mão única, sem evolução.
Não consigo ter a mesma energia e tempo para estudar música que eu tinha na adolescência, porque a vida muda e as obrigações e deveres nos agarram sem piedade. Aquelas tardes livres que tínhamos para tocar somem instantaneamente depois da maioridade.
A solução para as pessoas que compartilham esse problema comigo é: coloquem-se na fogueira, ou seja, metam-se numa roubada. Crie situações em que você, a princípio, vá se dar mal ou não tenha experiência. São aqueles momentos em que você fala para si mesmo: “O que estou fazendo aqui? Por que não fiquei em casa?”
Afinal de contas, como possuir experiência sem nunca ter “quebrado a cara”? Dar canjas, tocar de primeira com pessoas novas, subir ao palco para tocar algo inusitado, tocar e errar, errar e acertar, acertar e evoluir. Criar situações de desconforto para ficar cada vez mais preparado.
Este preâmbulo todo é para ilustrar o que aconteceu comigo em dezembro passado. Conhecido por tocar rock e heavy metal, fui convidado para me apresentar em um festival de choro do qual participaram verdadeiros chorões da velha guarda, que mantêm acesa a chama de Jacob do Bandolim, Valdir Azevedo, Cartola, Pixinguinha, entre outros grandes compositores. O festival Choro Sem Parar, em São Carlos, interior de São Paulo, aconteceu em praça pública.
Sempre enalteço a qualidade do choro aplicado à guitarra – Jacob do Bandolim foi um virtuose e suas músicas são de difícil adaptação ao nosso instrumento. Ser convidado para um festival do gênero foi uma grande surpresa para mim. Tocar um choro de vez em quando, em casa, para estudar um pouco, é bem diferente de realizar um show de uma hora entre músicos especialistas. Fogueira na certa!
Claro que não recusei o convite e passei alguns dias apenas aprendendo e memorizando os temas de choro que iria apresentar. Foi um grande incentivo para me concentrar nos estudos e buscar novos estilos e linguagens.
Cada um desses momentos ao longo da carreira representa uma experiência ímpar e solidifica nossas diferentes influências, e isso nos ajuda a criar um estilo próprio de tocar.
Aproveito a deixa para incentivar o estudo do choro. Quer absorver cromatismo? Toque A Ginga do Mané. Quer arpejos? Desvairada. Quer resistência e diversas combinações de palhetadas? O Vôo da Mosca. E por aí vai... Além do desafio técnico, as composições são históricas, bonitas e geniais. Grande abraço!

Legenda:
Eu, o baterista Cuca Teixeira e o baixista Thiago Espírito Santo no festival Chorando Sem Parar, em São Carlos (SP)

26 comentários:

Lu disse...

Ensinamento gravado, Kiko! E quer saber? Falo novamente - acho que ja mencionei isso antes - eu ainda tenho esperanças de ler um livro seu, com suas experiências e ensinamentos!! :D

Beijoss e volte logo!! :D

Luciana

Kelly disse...

A graça está no arriscar mesmo, a vida deve ser cheia de aventuras ;]
Queria muito ter presenciado esse festival de choro brasileiro, expandir o conhecimento músical e ter apreciado uma boa música.
A parte de ensaiar os choros a serem tocados deve ter sido muito divertida, novas experiências sempre fazem bem, além de aumentarem o conhecimento ^^
Há algum vídeo da apresentação? Se tiver, depois deixe o link ;D

Beijos e abraços Kiko,
Kell ;*

Anônimo disse...

É..são as provas de fogo que a vida nos traz..e também que nos torna mais fortes, maduros, e prontos para a próxima!
Nunca se sabe o dia de amanhã...
E seja bom ou ruim, a vida está sempre nos ensinando, para aqueles que querem ver..e crescer.
A vida é uma arte..É uma bela e perfeita cancão, mesmo para os que ainda não sabem compor...

nirvangra. disse...

...Nao é so para o músico que a rotina é um inimigo mortal,mas para qquer profissão.
A rotina é o que trava a busca ao novo,ao desafio,e faz esquecer que uma longa viagem começa com um unico passo.
Não é pq certas coisas são dificeis
que nós não ousamos. É justamente pq não ousamos que tais coisas são dificeis!
Concordo em "colocar-se na fogueira",pq só assim podemos descobrir o nosso potencial.
E "se dar bem" consiste na perseverança de cada um.
Vc é ousado,e sábio pq não recusa desafios,Parabens! Jamais vai cair na rotina.
Deve ter sido um sucesso esse show para todos os músicos lá presentes.
Continue assim...avançando sem medo, pq só assim estará realmente vivendo sua arte e não apenas existindo...
abraços.

Lucas Albert disse...

Além de ótimo músico o Kiko também é um perfeito filósofo! Eu, com meus 21 anos, inda me perco na dicotomia entre as Ciências Sociais, ciência a qual me propús a estudar, e a música. Espero que o momento de "me jogar na fogueira" esteja próximo também, já que um músico de paixão deve entregar-se integralmente a sua profissão.
Abraço galera.

Roberto Barros disse...

Com certeza Kiko
se aventurar por outras praias solidifica muito o músico !!!
até hj toco temas de choro influenciado pelas aulas que vc me deu !!! obrigado
a da uma ouvida se der em duas músicas que estarão no meu cd
www.myspace.com/robertobarrosofficial

Luciana MN disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Drika Bastos disse...

É...seja na música ou qualquer outro tipo de trabalho não há ninguém nesta vida, que não pague um mico ou cometa erros...este é o preço pela sabedoria e maturidade...Todos os dias escorregar, cair e levantar(não necessariamente nesta ordem)É uma barra...a arte exige um alto preço - esforço, dedicação, superação a cada instante...Sofrer preconceitos, críticas, etc(cabeludo,maconheiro,vagabundo,etc-"Por que não larga a guitarra e vai arrumar um emprego?"(e ser infeliz igual a eles..."os que criticam".Não é fácil...mais o amor pela música é muito maior que tudo isto!!!Graças a Deus!!!
A música é um alimento para a alma... sem ela eu não existo!!!
Beijos....

- Mariana PaulinO* disse...

Que lindo!
Pela arte, vale tudo.
A gente faz qualquer coisa. Corre riscos, enfrenta problemas, quebra paradigmas.
É lindo lutar por algo que se ama tanto (:
A arte é o repousar da Alma (:
A plenitude do espírito,
Minha razão de viver ^^

Passa lá no Blog (:

Beijão!

noise disse...

Sem arriscar não cheariamos a lugar algum !!


E você como ótimo musico que é não deve ter decepcionado ninguem !!


mas sobre o que a LU disse ... realmente , um livro sobre suas experiencias não seria nada corriqueiro , seria muito bom algo do tipo !

parabens pelo trabalho KIKO e que continue assim , sempre se aprimorando e dando um exemplo a todos da luta que é a vida !

Danielle disse...

Parabéns Kiko, seus comentários e textos, são sempre muito mais do que se um simples guitarrista que busca aperfeiçoar - se, me soam como de um artista que está sempre fiel a sua arte e a sua alma...
Vale lembrar que o Choro é um 'ritmo' genuinamente brasileiro..
Também acho Lu, que o Kiko deveria lançar um livro, talvez que seja muito mais que harmonia e arpejos, mas um livro de músico que fale para músicos e não músicos, capacidade, conhecimento e meios prara fazer isso acredito que o Kiko tenha... Pense nisso Kiko!

bjs

Anônimo disse...

constantemente ocupado Kiko,gracias por compartir este espacio con tus escritos y fotos.
saludos! Martin
Monterrey, Mexico

Buckethead disse...

Será que o Kiko deixou de ser aquele metido irritante do passado? Com este post ele até me convenceu... mas ainda estou com pé atras, pois um verdadeiro artista é mais do que um bom músico, é primeiro uma grande pessoa.

Van... disse...

Você mandou muito bem!!! Devemos sempre sair da rotina...
Ampliar os horizontes...
Te admiro por essa coragem e determinação!!! Seu sucesso é fruto de muito trabalho e dedicação a música!!!
Bjossss

Thais Cruz disse...

Esse post me fez lembrar de uma citação de Lev Ivanov: "Possa você ser sempre abençoado pelo espírito e pela força de não considerar sua profissão apenas como um meio de ganhar seu sustento, mas como uma Arte à qual você tenha resolvido se dedicar com toda sua alma."

É inspirador e admirável a forma como você se entrega à música... Continue assim! :)

Super beijo

(e volte pra Pirassununga!!! XDDD)

Emi disse...

adorei o texto!!msmo não tocando e talz,acho que todos nós temos certos momentos de fogueira e como vc disse,por mais q seja desconfortavel,nos ajuda a ter mais experiencia =) beijos

Litha disse...

ahh então era vc o cara de cabelo comprido tocando lá!

Hahahahahha!

gostei das musicas que vc tocou!
alias, gostei do festival todo,muito bom!

abrçs!

samucaotomano disse...

Fala grande Kiko! Cara... gostaria de saber se vc tem em mente algum projeto mais jazzista, que possa se tornar um novo cd?!
Sou um grande fã do disco Universo Inverso.
Grande abraço

Samuel

samucaotomano disse...

ok... agora percebi pq q os recados não estavam aparecendo de primeira.... precisa primeiro ser aprovado!
então caro mediador, favor exclua uma das minhas mensagens que creio eu estar repetida, pois ecrevi duas vezes!! além de excluir essa aqui claro...
obrigado!

Camila disse...

Foi realmente uma pena não ter ido a este evento! Sou estudante aqui em São Carlos e infelizmente fiquei sabendo do evento depois que este ocorreu :( Espero que você aceite outro desafio este ano, caso seja convidado!

Parabéns pelo show e adorei o que você escreveu, acho que vou começar a frequentar mais o blog por que ultimamente tenho precisado de incentivo... :)

Beijos, Camila.
PS: Espero ver alguma apresentação sua em breve. ^^

Edu Cecconello disse...

É isso aí Kiko!!!
Eu estudei violão erudito e já toquei os choros Sons de Carrilhões de João Pernambuco e Mazurka Choro de Villa Lobos. Para sermos músicos completos, às vezes temos que fazer coisas inusitadas mesmo. Parabéns, pois vc é um músico completo (principalmente ouvindo o excelente trabalho que faz no Angra e o excelente trabalho que fez no Cd "Universo Inverso"), pois ambos apresentam linguagens bastante diferentes e são de qualidade ímpar. Valeu pelas dicas.
Um abraço do seu fã.

Thiago Love disse...

bom meu nome é Thiago tenho 20 anos, toco guitarra desde os 5, mas nunca estudei na minha vida, estou começando a estudar agora. Angra e Kiko Loureiro são as minhas maiores influências ainda mais porque eu nunca gostei muito de rock sempre fui forrozeiro. Certo dia fui chamado para gravar um DVD de PAGODE, fikei sem saber o que fazer pois nunca tinha tocado pagode na minha vida, pois encarei esse convite e fui tocar, foi um dos melhores shows da minha vida....como vc falou Kiko eu arrisquei, errei, mas acertei e evolui!
Estou começando a estudar agora, senti a necessidade de estudar, porque agora eu vi que, músico de ouvido consegue chegar até seu limite, e aonde eu quero chegar é além do meu limite descobrir coisas novas, ir muito mais além do que o próprio além, se é que vcs me entendem.

E é issu aew deixo meu abraço a todos aew.....muito obrigado pela atenção.


"O verdadeiro discípulo é aquele que supera o mestre" (Aristóteles)


Abç...

gabriel disse...

pow cara eu naum consigo aprender muitas coisas sozinho naum mas
quando eu tenho aulas eu aprendo
ate rapido
Mas ainda to na faze de aprendizados de arpegios e tudo masis
mas sei muito pouco ainda tenho q treinar pra naum errar as pal hetadas e as notas
mas eu acho q ja podia estar bem avançado
comecei a tocar aos 9 anos agora tenho 16 e ainda to ai
mas varias vezes eu aprendi alguns
solos de musica
por alguns amigos falarem deixa cara vc naum vai conseguri
ai no outro dia eu ja conseguia fazer pq tinha um instimulo maior de mostrar para os outros q consigo
e agora eu tenho q aprender a tocar carry on pra mostrar a ele
mas no momento naum to tendo aulas e sozinho naum consigo
ate agora so aprendi o hif do começo
mas kiko sou seu fã
susseço pra vc e t+ abrtaço

Lipe de Souza disse...

Por isso sou seu fã. Além de ótimo músico é bastante intelectual e convicto nas posições. Bastante centrado nas colocações. Admiro muito isso. Espero ansioso pelas novidades musicais.

Lipe de Souza!!!

Mike disse...

É por essas e outras que eu lhe admiro muito.Versatilidade é fundamental para fugirmos da mesmice que se instaurou no cenário rock'n'roll brasileiro, reforçando o amor que devemos sntir pela música .Choro é um estilo completíssimo kra e vi uma vídeo aula em que vc ressalta a importância de não deixarmos de lado a nossa tão importante e genuína música brasileira. Parabéns kra vc é um exemplo para todos nós amantes das seis cordas

naell oliveira disse...

cara foi uma boa para mim ler isso hj...acabei de vir do ensaio da minha banda...e nao foi la essas coca,os meus solos ficaram embolados,o timbre da guitarra estava uma merda,ate tambem pelo fato de eu esta usando uns pedias de um amigo meu,sempre estou bubcando coisas novas,toco em um ministerio na igreja,e tenho aprendido muito la,pego aula com ozielzinho,tiro a maioriade suas musicas,e sei que vou chegar..la valew!suas musicas me enfluenciaram de uma forma muito louca....rsrsrs..
vc é o cara..kiko.flw abrçao tchau fui.