29 de agosto de 2009

Nossa língua portuguesa



Aqui em Portugal tudo perfeito. Amanha é nosso show ( Angra) e hoje fomos prestigiar o show do Sepultura no Festival na Ilha do Ermal.

Não pude deixar de dar uma verificada neste ambiente com nome tão sugestivo…Afinal o menu me deixou intrigado.

Kiko adverte:
Use a imaginação com moderação

Abraços Lusitanos

28 de agosto de 2009

Post Guitar Player

Mais um post da Guitar Player...


São quase 18 anos envolvidos com a mesma música, mesmo estilo, mesmo grupo de pessoas, com amigos, colegas e fãs que cultivamos tão intensamente.
Com uma dedicação ímpar ao longo deste extenso período, com seus altos e baixos, momentos inesquecíveis, e claro, momentos que gostaria de esquecer - a trajetória do Angra é a história de minha vida profissional.
Após quase dois anos sem subir aos palcos ostentando este nome, nos preparamos para a tour Angra/Sepultura em algumas cidades do Brasil no mês de maio.
O sucesso que o Angra obteve é complicado de explicar ou criar uma fórmula a ser repetida por outras bandas que almejam o mesmo posto. Porém a única coisa que eu poderia dizer que existiu e existe é a dedicação, paixão e trabalho intenso sem medir esforços independente dos resultados positivos ou adversos.
Por isso quando decidimos voltar com o grupo, nada menos que ensaios diários de no mínimo 3 horas foram marcados. Recapitular por volta de vinte músicas, relembrar os pequenos detalhes das composições criadas há 10, 15 anos. Recebendo o antigo companheiro Ricardo Confessori na bateria, tudo soa com um bom toque de saudosismo, expectativa e otimismo.
Nos ensaios eu gosto de dificultar as coisas um pouquinho. Não levo nenhum efeito ou distorção a mais. Gosto de tocar com a distorção que venha do ampli, crua e clara. Guitarra-cabo-ampli e só. Afinal, com duas guitarras, baixo e bateria insanos, teclados e backings, a massa sonora não propicia muitas brechas para enfeites “timbrísticos”. Para esta tour decidimos tocar um tom abaixo, isto é , em D. Como sempre usei as cordas D’Addario 0,10, não tive escolha de passar para 0,11 devido à nova afinação. Porém para treinar e complicar um pouco mais passei um período dos ensaios utilizando espessura 0,12. Assim o exercício da almejada “pegada”firme, seja nas bases ou bends e vibratos, torna-se funcional e intenso.
Portanto, pouca distorção, sem efeitos e com corda 0,12. Este conjunto torna-se um bom treino muscular e de resistência. Outro benefício deste “cabo-de-força”musical é a precisão, definição e clareza na execução que uma corda firme te proporciona. É claro que vale lembrar que todas as músicas eu já toco há muitos anos e os dedos caminham por conta própria pelo braço, o que facilita poder exigir deste lado mais físico e mecânico.
Fizemos o show de estréia em Fortaleza. Para nossa felicidade tivemos grande público e ingressos esgotados para nossa volta. Como “jogo é jogo e treino é treino” não arrisquei na 0,12 e sim na 0,11 mesmo, com o devido delay nos solos e boost. No palco a energia é tão grande que a corda parecia uma 0,08. Talvez a 0,12 fosse melhor para conter a fúria.
Na mesma semana também fiz um show no SESC em SP com o trio Neural Code. Pelo fato de estar em trio, uma guitarra só requer um preenchimento mais completo. Abusar dos delays, chorus e flangers é bem vindo e faz a diferença. Quando à corda, pela complexidade do som, foi melhor não arriscar e ficar na 0,10 mesmo.
Na véspera de atacarmos no Via Funchal em São Paulo estou na dúvida da espessura mas com a certeza de completar a maioridade com os amigos de banda em mais um show marcante para o Angra.
Abraços

22 de agosto de 2009

GIT

Quando estive em 2008 no GIT em Hollywood postei contando sobre a oportunidade de tocar com o JD do Black Label Society e também com o Tommy Clufetos do Alice Cooper e Robbie Zombie

Tinha prometido enviar o link do vídeo que fizeram na época,mas como minha cabeça está senil, os lapsos de memórias acontecem de forma cada vez mais frequente. Deixo aqui para vocês verem o que passou naquela noite... um ano depois...


http://www.youtube.com/watch?v=k1A3lsuGO68


http://www.youtube.com/watch?v=EMaCbe5Q5L4

4 de agosto de 2009

Coca-Cola Guitar Fest

http://www.youtube.com/watch?v=casTTsvqizk

Demorei um pouco para postar o link. Desculpem.
Em junho fui para o Chile tocar no Coca-Cola Guitar Fest.
O Festival, além da minha presença, contou com o mais conhecido guitarrista Chileno, Alejandro Silva e um concurso para guitaristas.

O vídeo mostra bem como foi o evento, inclusive a minha cara de sofrimento tentando falar a língua do Kiko do Chaves.

A edição está ótima, faltou só a minha iniciativa de tocar uma Cueca de improviso, onde a galera toda em uníssono bateu palmas em acompanhamento.

PS:Para os desinformados musicais: Cueca é o mais tradicional ritmo Chileno : )

De Kiev direto ao caos paulistano e rumo à Maceió.


abraços!
KIKO